sábado, 3 de setembro de 2011

Eles são os sábios

Aqui presto uma homenagem aos idosos que, neste mundo moderno, estão alcançando seu espaço, não se deixando esmorecer por causa de tantas barreiras e preconceitos e que estão aprendendo a lidar com toda esta tecnologia que já faz parte do cotidiano de nossa sociedade.
Um grande abraço aos verdadeiros sábios do mundo de hoje.
video

domingo, 28 de agosto de 2011

A Língua Portuguesa em Ação: Educação Pública

A Língua Portuguesa em Ação: Educação Pública: Já faz algum tempo que há um desgastante debate acerca da Escola Pública. Não me refiro a apenas escolas do primário ou dos ensinos fundamen...

Educação Pública

Já faz algum tempo que há um desgastante debate acerca da Escola Pública. Não me refiro a apenas escolas do primário ou dos ensinos fundamental e médio. Mas da creche até a Universidade. Muitos políticos, sociólogos entre outros estudiosos do assunto, acreditam que a melhor forma de haver uma valorização e, consequentemente, maior investimento na escola pública, é tê-la como direito "apenas" dos mais carentes. Ou seja, se o estudante quiser ingressar nesse tipo de escola, deve comprovar não ter condições de pagar uma privada. Ou, mesmo tendo condições financeiras superiores, matricular seus dependentes nos primeiros anos na escola pública para garantir sua vaga em uma das super concorridas Universidades Públicas do Brasil.
Agora, por que estou falando isso?
Deixa eu explicar melhor.
Há muito sabemos que as pessoas que mais ingressam nas Universidades Públicas são vindas do ensino privado. São de classe média e alta. Devido a isso, originaram-se as políticas de cotas: cotas para negros e para oriundos de escolas públicas, por exemplo. Foi uma maneira de tentar "garantir" o ingressos dos menos afortunados ao ensino superior público e gratuito.
Por causa disso, muitos das classes médias estão matriculando seus filhos, pelo menos, no Ensino Médio, de Escolas Públicas Estaduais e Municipais para terem maiores chances de entrar nessas mesmas Universidades Federais e Estaduais, só que utilizando a cota de alunos oriundos do ensino público.
É mais uma forma de burlar a lei e passar por cima de outros competidores que passaram toda a sua vida em escolas públicas e, por conseguinte, tendo menos condições de passarem em um vestibular. Não por falta de competência ou compromisso dos educadores, mas por falta de condições de trabalho a que nós somos submetidos cotidianamente.
Então, se a escola pública em todos os seus níveis fosse direcionada aos mais pobres, com certeza a concorrência seria mais justa e abriria mais vagas àquelas pessoas que precisam se aprimorar para ingressarem no mercado de trabalho, cada vez mais competitivo, com chances reais de serem contratados.
Por outro lado, se apenas os mais carentes tivessem acesso ao Ensino Público em todos os níveis, será que continuariam os mesmos investimentos que, ainda, as Universidades Públicas recebem? Será que esses investimentos existem por terem matriculados em seus cursos pessoas de nível econômico superior?
Precisamos, muito, pensar sobre isso.
E se cobrarmos mensalidades ou taxas daqueles que, por sua origem social, poderiam pagar sem problemas financeiros? Que consequências seriam geradas com essa medida?
Há também uma ideia de se obrigar os políticos matricularem seus dependentes em escolas públicas para se garantir um melhor investimento, desde a creche à universidade. Pense nisso.
Estão para haver muitas mudanças e precisamos estar "antenados", examinando e refletindo desde já para que não sejamos pegos de surpresa.
Há uma enquete ao lado sobre essa questão. Reflita, responda e acredite que só através de uma educação de  qualidade para todos e todas o futuro estará cada vez mais próximo de nós, brasileiros e brasileiras.

domingo, 21 de agosto de 2011

A Língua Portuguesa em Ação: Educação, educação, educação

A Língua Portuguesa em Ação: Educação, educação, educação: Assistindo ontem ao programa Criança Esperança, que por sinal foi muito bom, uma frase de Didi me chamou muito a atenção e é muito pertinent...

Educação, educação, educação

Assistindo ontem ao programa Criança Esperança, que por sinal foi muito bom, uma frase de Didi me chamou muito a atenção e é muito pertinente repití-la neste momento. Ele falou que a solução dos problemas que as crianças sofrem se resumem em três palavras: "Educação, educação e educação".
Isso é uma enorme verdade. Levando-se em conta que Educação não é só relativa à disciplinas escolares e, sim, a tudo que envolve a formação de um ser para a cidadania, realmente com a Educação, todos os problemas seriam resolvidos.
O grande problema é que os que estão no poder, tanto Federal, quanto Estadual e Municipal sabem disso. Na verdade, não é nenhuma novidade. Mas continuam sem investir. Por que será? Eu respondo: não dá voto.
Mas o que dá voto, então? Obras que chamam a atenção imediata da população: viadutos, tapa-buracos, consertos de esgotos, reformas nos prédios de hospitais, escolas, delegacias. Tudo que seja superficial.
Mas, naquilo que seja a longo e médio prazo é "esquecido" ou ignorado.
Vejamos um exemplo concreto na cidade do Recife:
O prefeito tem investido nesses últimos dias no problema da mobilidade. Existem enormes engarrafamentos em qualquer hora nessa cidade. A população reclama muito. Então, ele resolveu tapar buracos, construir e alargar viadutos. Tudo bem. Isso é necessário. Mas por que não tem verbas quando tratamos de contratação de mais professores (uma boa parte é estagiário-regente), construção e consertos de quadras escolares, aumento de aula-atividade (a nova lei do magistério estipula 1/3 ou seja 33,33%, a prefeitura insiste em 20%), construção de mais escolas (as que existem não dão mais conta da quantidade de alunos matriculados e as salas estão superlotadas), entre tantas outras coisas.
Mas isso não fica apenas no nível municipal. Um jornal de grande circulação trouxe em sua capa uma reportagem sobre o índice de crianças sem problemas dentários devido ao não cumprimento da lei que exige que se use flúor na água que é tratada pela companhia de água e esgotos estadual.
É um absurdo. O mesmo governo que está prometendo tanto investimento para preparar Recife e região metropolitana para a Copa, não trata nossas águas adequadamente. Uma vez que essas crianças acabam perdendo os dentes precocemente, são afetadas em várias áreas de sua vida, inclusive na saúde e educação.
O mesmo acontece no âmbito federal, quando não se dá um tratamento adequado ao investimento que se faz na educação brasileira.
Portanto, não podemos ficar satisfeitos com essas obras ou propostas de obras que estão para ser realizadas. É uma obrigação dos que estão no poder fazer isso pela população que já paga tantos impostos. Devemos exigir mais. Principalmente na Educação para que, um dia, sejamos um país que acreditamos poder ser. 
O Brasil já deu muitos exemplos ao longo de sua existência do que pode realizar de positivo diante dos problemas. Então, que sejamos capazes de, finalmente, através da Educação, sermos um país do futuro, agora, no presente.

sábado, 20 de agosto de 2011

A Língua Portuguesa em Ação: Que país é esse?

A Língua Portuguesa em Ação: Que país é esse?: O gênero musical é um dos que têm grande facilidade de levar algum tipo de informação à sociedade. Quanto mais pop, melhores as chances de s...

Que país é esse?

O gênero musical é um dos que têm grande facilidade de levar algum tipo de informação à sociedade. Quanto mais pop, melhores as chances de ser escutado, curtido. O Legião Urbana, com seu punk-rock, foi, ainda é, e creio que ainda será por muito tempo um grande exemplo de banda que soube utilizar desse gênero para propagar suas ideias sempre atuais. Mesmo não sendo pop, foi popular e chegou a todas as classes sociais. Não foi por acaso que foi utilizada sua canção "Que país é este? na novela das nove da Globo. Muito pertinente o seu uso, pois fala de uma situação que ainda permanece e se perpetuará ainda por tantas gerações em nosso país.
Infelizmente, a sua magnífica letra é bastante representativa de nossa realidade; embora tenha sido escrita em 1978 (33 anos atrás) e relançada em 1987 (24 anos atrás).
Pois é, passa geração, chega geração, e a impunidade, a corrupção, a falta de investimentos na educação, segurança e saúde, os altos índices de violência, os altos impostos, a inflação, o desemprego, a compra ou troca de votos e favores no poder AINDA são notícia de jornais.
Gente, até quando o Brasil estará nesse marasmo, onde NADA acontece verdadeiramente para mudar essa situação?
Gente, até quando precisaremos de campanhas de solidariedade como Criança Esperança e Teleton para tentar apaziguar a miséria cultural, de saúde, de educação, de segurança etc que afligem esse país há centenas de anos?
Isso me deixa muitíssimo indignado. Parabéns às ONGs e campanhas como as citadas acima que tentam fazer algo que é DEVER do poder público nos oferecer GRATUITAMENTE. Até porque nós pagamos caro para termos tudo isso. Só que não temos.

Bem, para refletirmos um pouco melhor sobre esse assunto que já deveria estar no PASSADO, mas que insiste em estar em nosso PRESENTE, vamos curtir e refletir na letra de Legião Urbana, Que país é esse?


Que País é Esse?

Legião Urbana

Nas favelas, no senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
No amazonas, no Araguaia iá, iá,
Na baixada fluminense
Mato grosso, minas gerais e no
Nordeste tudo em paz
Na morte o meu descanso, mas o
Sangue anda solto
Manchando os papéis e documentos fiéis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai fica rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Doas nossos indios num leilão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

domingo, 14 de agosto de 2011

Mais uma da publicidade !!!

Estou mais uma vez indignado com essas agências de publicidade que apostam no mau gosto. Ou, pelo menos, em conceitos inadequados à sociedade atual. Vejam como essa propaganda está disseminando a ideia do macho-alfa, do homem (macho) dominando o mundo.
O motorista é o galã e ele tem à sua disposição todas as mulheres do mundo, babando por ele ter um carro potente e sofisticado. Nada contra o carro, claro. Mas essa ideia do carro ser de homem, é ridícula e ultrapassada. Muitas mulheres têm conseguido derrubar esse preconceito.
Precisamos sempre analisar tudo que chega aos nossos ouvidos e olhos. Devemos, como cidadãos, ter um espírito crítico e sermos capazes de ler nas entrelinhas as informações que estão vinculadas ao que lemos, assistimos e escutamos. Isso é característica de um leitor competente.
Portanto, sejamos leitores e cidadãos competentes e vamos dar um basta nessas ideias e filosofias que atrapalham o bom desenvolvimento da sociedade.


Um abraço a todos e a todas!!!
E feliz Dia dos Pais!!!

sábado, 13 de agosto de 2011

Trágico ou Cômico?

Nesse anos de experiência como docente, presenciei de quase tudo na educação e, em particular, na sala de aula. Momentos cômicos, trágicos, interessantes...
Aqui estão algumas situações que, se não fossem trágicas, seriam cômicas.

Professor escreve: O problema do mundo atual é o individualismo.
Aluna: Tá errado, professor!!!
Professor: O individualismo?
Aluna: Não. O certo é POBREMA!!!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

O professor fala pro diretor: - A tinta do pincel atômico acabou, os alunos não trouxeram livros e não tenho giz.
Diretor: Use a criatividade, professor!!! Você tem boca e eles, ouvidos. Então, caro amigo, FALE que eles OUVEM!!!
-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Professor pergunta: - Alguém trouxe livro hoje?
Aluno 1: Não, fui roubado!
Aluno 2: Não, perdi!
Aluno 3: Não, molhou!
Aluno 4: Não, caiu na maré!
Aluno 5: Não, vendi!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Estudante alegre: Amanhã não tem aula !!!
Professor alegre: Amanhã não tem alunos!!!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Professor 1: Já sei como fazer a escola ser um lugar legal!!!
Professor 2: Como, amigo? Socialize essa ideia!!!
Professor 1: Mantendo os alunos em casa!!!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-
 
Professor: - Iremos falar hoje da Revolução Francesa que ocorreu no século XIX na Europa. Em qual país aconteceu?
Aluno: - Na Venezuela!!!

De volta ao machismo e à discriminação!!!

Quem me conhece, sabe que não sou moralista, que não discrimino nada nem ninguém. Como dizem, cada cabeça é uma sentença.  Contudo, sou um voraz crítico dos que utilizam nossa língua, que é um dos mais valiosos patrimônios de nossa nacionalidade, de qualquer forma, principalmente no que se trata de compor. Aqui, em Recife, existem alguns compositores que não fazem bom uso de nosso idioma. Ainda intitularam-se MCs. Os verdadeiros MCs não perderiam seu tempo escrevendo letras que só fazem denegrir o gênero feminino ou que não têm nada a acrescentar aos seus fãs. Não quero dizer, com isso, que boa letra é aquela que segue a norma padrão da Língua Portuguesa, ou que pertence a tal gênero ou região. Não tem nada a ver. Boa canção é aquela que acrescenta ou distrai de forma que não fere a cidadania de ninguém.
Aqui, em Pernambuco, o Ministério Público está averiguando uma denúncia feita sobre alguns "MCs" que, através de suas letras, incitam à pedofilia. Ou, no mínimo, desvalorizam o gênero feminino, fazendo retornar na cabeça dos jovens o machismo ainda tão forte nesse país. Esse machismo ainda mata centenas de mulheres por ano no Brasil. E é isso que eles querem construir nas mentes dos mais jovens e influenciáveis fãs.
Não sou contra, repito, nenhum estilo musical. Mas não posso deixar de ficar indignado com tipos de letras como essas abaixo:

Posição da Rã
(Mc Cego e Mc Metal)

Tamos de volta na pegada esse moleque é
bam bam bam,
Quero as novinhas na posição da rã...
[...]
E o comentário das novinhas espalhou para geral
Quem faz amor gostoso é Cego e Metal!
[...]
Deixou o seu marido pra provar da posição [...]

Gostou Novinha?
(Mc Cego e Mc Metal)

Gostou novinha?
Ai, gostei, quero Metal e Cego fazer amor outra vez.
E ela disse bem alto, minha mãe ficou brava,
Papai mimou demais, mas só vivo na cachorrada
[...]
Geral foi à loucura, e as novinhas gostou,
É que Metal e Cego parece ator de pornô.

Se eu Mato eu vou Preso
(Mc Sheldon)

Mas se eu mato eu vou preso
Se eu roubo eu vou preso
Se é pra pegar novinha eu vou preso satisfeito
As novinha tem um feitiço de deixar os homem estigado
[...]
As de 14 eu tô fora, as de 15 é muito nova, a 16 já tá na hora,
17 eu vou agora
[...]
Porque eu sei que é complicado pela lei eu tô errado mas
não posso fazer nada se o amor fala mais alto.

Pois é. Esse tipo de canção, infelizmente, faz muito sucesso entre a população mais carente. Exatamente, por falta de uma orientação, de uma educação eficaz e pela falta de estrutura familiar e social. 
Precisamos dar um basta nisso. São aproveitadores dessa realidade social dessas comunidades para influenciarem facilmente a delinquência e a discriminação.
Vamos refletir sobre isso e lutar pela cidadania de todos e todas. 
Um abraço !!!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Empréstimos Linguísticos

Vamos falar um pouco de empréstimos linguísticos, ok?
Toda língua que é usada no cotidiano de uma coletividade, sofre mudanças de várias formas ao longo de sua história. É a diferença entre uma Língua Viva e uma Língua Morta. A Língua Portuguesa não é diferente das demais.
Se observarmos a história de nosso idioma, poderemos verificar o quanto já foi modificado. Às vezes sofre acréscimos, outras vezes, perde algo. Isso faz parte da dinâmica de uma língua. 
Com a influência de outros idiomas, pois nenhuma língua é isolada ou pura, acabamos adaptando algumas palavras ao nosso idioma (aportuguesando), ou tomando por empréstimo. Ou seja, muitas palavras utilizamos sem a necessidade de traduzí-las. Vamos usando e encaixando essas palavras às nossas situações de comunicação, sem nos importa quanto ao seu equivalente em Português.
Vejamos alguns exemplos e verifiquemos o quanto ficaria hilário ou inadequado se traduzíssimos tudo que nos chegasse de outro idioma em nome de um purismo linguístico.

1º) Eu preciso comprar um RATO (mouse), mas daquele com luzinha embaixo. Só não sei se com o rabo quadro (USB) ou redondo (PS2). Dizem que o que tem a ponta do rabo quadrado é melhor do que aquele que tem a ponta do rabo redondo, porque é uma conexão universal de série (USB);

2º) Fui ontem comprar uma televisão de tela de cristal líquido (LCD), mas o vendedor me convenceu a comprar uma de diodo emissor de luz (LED);

3º) Aquele cara vive dando uma de valente pra cima de mim (Bullying) o tempo todo.

4º) Aquele cara é do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Companhia Elétrica do Nordeste, no Canadá. (NERD).

5º) Eu adoro forró (FOR ALL);

Gilberto Gil nos traz um grande exemplo desse empréstimo linguístico que utilizamos tão naturalmente em nosso idioma, sem uma gota de arrependimento.
E Viva a Língua Portuguesa !!!


Gilberto Gil

Composição: Gilberto Gil
 
Criar meu web site
Fazer minha home-page
Com quantos gigabytes
Se faz uma jangada
Um barco que veleja ...(2x)
Que veleje nesse informar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve um oriki do meu orixá
Ao porto de um disquete de um micro em Taipé
Um barco que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve meu e-mail até Calcutá
Depois de um hot-link
Num site de Helsinque
Para abastecer
Eu quero entrar na rede
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tietes de Connecticut
De Connecticut de acessar
O chefe da Mac Milícia de Milão
Um hacker mafioso acaba de soltar
Um vírus para atacar os programas no Japão
Eu quero entrar na rede para contatar
Os lares do Nepal,os bares do Gabão
Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular
Que lá na praça Onze tem um videopôquer para se jogar...

Uso correto da Língua Portuguesa

Hoje, na sala de aula, falando sobre as várias possibilidades de nos expressarmos usando nossa língua, um aluno questiou o por quê de não se ensinar o Português corretamente aos nossos filhos desde a sua infância para que não cheguem na escola falando "errado". Não que os professores não estejam ensinam ou estejam ensinando errado, mas não deveriam deixar falarem "errado". Deveriam corrigí-los o tempo todo.
A questão é o que fará com esse menino nas demais horas em que ele não estará em contato com o professor de Português e nem com seus pais?
Inevitavelmente, ele estará ouvindo e lendo as mais variadas formas de se utilizar o nosso idioma que, por questões socioculturais, não são privilegiadas. Sabemos que o Português Culto ou Formal é um acordo sociopolítico que faz essa variação da língua portuguesa ser privilegiada.
Na verdade, não podemos e nem devemos restringir o contato de nossos filhos e/ou alunos a essas variedades linguísticas menos privilegiadas, menos valorizadas. O que devemos fazer é explicar que para se passar em Vestibulares, Concursos Públicos, Entrevistas de Emprego se faz necessário a utilização da norma culta, o que a gramática orienta. No entanto, o preconceito linguístico existe quando dizemos que nossos filhos/alunos estão falando ou escrevendo errado quando não estão utilizando a norma culta.
Ah, então devemos deixar falar de qualquer forma?
Claro que não!!!
Devemos estimular a Competência Linguística em nossos filhos/alunos para que saibam ser bons interlocutores em qualquer momento em que necessite se expressar utilizando nossa língua. Esse momento pode ser numa roda de amigos ou numa entrevista de emprego.
Então, o importante é que devemos entender que podemos e devemos utilizar as mais variadas formas de uso da Língua Portuguesa de acordo com o contexto/momento no qual estamos inseridos.
Chorão, do Charlie Brown Jr, por exemplo, tem uma grande competência linguística, pois sabe utilizar a Língua Portuguesa das mais variadas formas além de ser muito hábil nos mais diversos gêneros musicais. Vejamos dois exemplos:



Bem, existe diferença no uso que ela faz da língua nos dois clipes. Observe e tire a sua conclusão. Será que por ele variar a forma de se expressar está falando outra língua ou está falando errado? Ou será que ele está utilizando a mesma língua de formas diferentes, contudo reais?
Um abraço a todos e todas!!!

domingo, 7 de agosto de 2011

Pra não dizerem que sou regionalista, que só puxo pro meu território os elogios, nem que só valorizo os ritmos pernambucanos ou nordestinos, vou falar de uma banda que sou fã desde minha adolescência, os Titãs. Pois é, gosto de rock, também, claro. Acho uma pena ter perdido Arnaldo Antunes, um grande poeta contemporâneo e excelente compositor. De qualquer forma, o rock dos Titãs ainda traz uma letra com conteúdo. O que isso quer dizer? Não estão pra fazer apenas som, preocupam-se em passar para os que curtem a banda algo de interessante. Isso eu dou muito valor. A canção a seguir teve sua letra usada em um dos vestibulares de federais aqui em Recife, dada a sua profundidade e construção coerente e melódica. Vamos curtir um pouco esse vídeo e fechar com algumas observações.
Vamos lá!!!

Epitáfio

Titãs

Composição: Sérgio Britto
 
Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...
Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...
Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...(2x)
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...

Bem, comecemos a análise...
O título Epitáfio, significa "inscrição sobre lápides tumulares". (Houaiss Eletrônico)
O que isso quer dizer? O eu poético, ou seja, a pessoa quem está falando na letra da canção já foi dessa pra melhor. Ele estava sepultado e tinha uma lápide em sua homenagem. O que, provavelmente, estaria escrito nela? Será que: Aqui jaz aquele que viveu para trabalhar. Ou será que: Aqui jaz aquele que não viveu enquanto vivo.
Bem, com certeza, as duas alternativas estariam de acordo com o enredo dessa composição.
De qualquer forma, o personaem nos passa uma imagem de alguém que nunca parava para contemplar a beleza do mundo e das pessoas, mesmo com suas qualidades e defeitos, que estavam ao seu redor. Era distraído, não relaxado. Distraído porque não percebia o que estava perdendo tão concentrado em suas metas e ideias de ser feliz. Não era feliz. Os sentimentos eram levados a segundo plano, ou terceiro, ou quarto... Ele não chorava, não amava. Buscava a perfeição acima de todas as coisas. O que não é possível. Somos humanos. O sentimento predominante nessa letra é o lamento. Ele arrepende-se de não ter vivido plenamente, mesmo errando. Ele errou de nunca ter se deixado ser humano, com todas as suas imperfeições.
Os verbos "Dever" e "Querer" são usados no Preterito Imperfeito: "Devia", "Queria". Levando-se em conta que o Pretérito Perfeito dá ideia daquilo que se repetiu por mais de uma vez no passado e que não teve um final, ou que foi interrompido sem finalizar, ficaria inadequada a sua utilização. Mas o compositor, nesse caso, utilizou a forma popular que usamos no cotidiano, quando queremos expressar aquilo que gostaríamos de fazer, mas não fizemos. Se fosse utilizar a língua formal, o compositor deveria usar esses verbos no Futuro do Pretérito, e ficaria assim: "Deveria" e "Quereria". Essas formas não são vistas usualmente nas situações de comunicação na nossa sociedade.
De qualquer forma, existe a licença poética que faz com que o compositor não fique preso à formas acabadas e rígidas da Língua Portuguesa. E também não podemos deixar de perceber que a escolha da conjugação desses verbos foi a correta dentro do contexto em que essa canção está inserido, tanto em relação ao gênero musical, quanto ao público-alvo ao qual é dirigido essa letra.
Aqui finalizamos mais essa análise e espero que tenha ajudado a entender mais a nossa língua tão amada e tão odiada por tantos. Além de servir como homenagem a uma das bandas mais importantes em nosso cenário musical.
Um abraço a todos e a todas !!!

Artista Pernambucano

A Rede Globo, hoje, está de parabéns por ter rendido um programa inteiro em homenagem a um dos mais renomados artistas pernambucanos: Michael Sullivan. O nome desse programa é Espaço Pernambucano. Pena que é um curto espaço. De qualquer forma, valeu a inciativa da Globo valorizar nossos artistas.
Para quem não sabia, Michael Sullivan, é natural de Recife, mas tem sua família espalhada pelas cidades de Timbaúba e Nazaré da Mata, entre outras.
Muita gente não o conhece como cantor, mas, certamente, já escutou e curtiu suas canções nas vozes de cantores famosos como Roberto Carlos, Alcione, Sandra de Sá e Gal Costa.
Também fez parte das bandas Renato e seus Blue Caps e The Fevers. Junto com Paulo Massadas compôs sucessos como "Me dê motivo", interpretado por Tim Maia.
A dupla Sullivan e Massadas chegou a ter seus nomes registrados no Guiness Book, o livro dos recordes, por serem a dupla de compositores com maior número de discos nas paradas de sucessos em menor espaço de tempo.

Bem, como não poderia ser diferente, aqui está uma mostra de um dos seus sucessos, com sua respectiva letra para acompanharmos. Observe a letra desta canção, sem apelações, sem palavras de duplo sentido, mas com emoção e profundidade suficientes para fazer com que fique em nossas memórias ainda por muito tempo.
E viva o povo brasileiro. Viva o povo pernambucano!!!

Leva
(Michael Sullivan / Paulo Massadas)

Foi bom eu ficar com você
O ano inteiro
Pode crer foi legal te encontrar
Foi amor verdadeiro É bom acordar com você
Quando amanhece o dia
Dá vontade de te abraçar
Te trazer alegria
Tão bom encontrar com você
Sem ter hora marcada
Te falar de amor bem baixinho
Quando é madrugada
Tão bom é poder despertar
Em você fantasias
Te acender, Te envolver, Te ligar
Te fazer companhia
Leva (leva)
O meu som contigo leva
E me faz a tua festa
Quero ver você feliz
É bom quando estou com você
Numa turma de amigos
E depois de atenção
Você fica escutando o que eu digo
No carro, na rua, no bar
Estou sempre contigo
Toda vez que você precisar
Você tem um amigo
Estou pro que der e vier
Conte sempre comigo
Pela estrada buscando emoções
Despertando sentidos
Com você Primavera, Verão
No Outono ou Inverno
Nosso caso de amor tem sabor
De um sonho eterno
Leva (leva)
O meu som contigo leva
E me faz a tua festa
Quero ver você feliz

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Escola pública para os mais necessitados

Após várias décadas de predominância da elite nas Universidades Públicas devido a desigualdade social e a enorme dificuldade que se estabelecia através dos antigos vestibulares, o quadro dos estudantes matriculados nessas entidades de ensino superior tem mudado. É o que afirma a seguinte reportagem do Portal NE 10, do Jornal do Commercio. Mesmo assim, ainda precisamos lutar ainda mais, porque continuam as discriminações sociais e raciais, prejudicando muitos ao ingressos no Ensino Superior Público.

Segue a reportagem:

Mais de 40% dos alunos das universidades federais são das classes C, D e E

Publicado em 03.08.2011, às 07h27

Cerca de 43% dos estudantes das universidades federais são das classes C, D e E. O percentual de alunos de baixa renda é maior nas instituições de ensino das regiões Norte (69%) e Nordeste (52%) e menor no Sul (33%). É o que mostra pesquisa da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que será lançada nesta quarta-feira (3), sobre o perfil dos estudantes das universidades federais.

Para a Andifes, o resultado do estudo, que teve como base 22 mil alunos de cursos presenciais, desmistifica a ideia de que a maioria dos estudantes das federais é de famílias ricas. Os dados mostram, entretanto, que o percentual de alunos das classes mais baixas permaneceu estável em relação a outras pesquisas feitas pela entidade em 1997 e 2003.

LEIA MAIS
» Estudantes negros são menos de 10% nas universidades federais

Segundo o presidente da Andifes, João Luiz Martins, as políticas afirmativas e a expansão das vagas nas federais mudaram consideravelmente o perfil do estudante. A associação avalia que se não houvesse as políticas afirmativas, o atendimento aos alunos de baixa renda nessas instituições teria diminuído no período.

Martins destaca que se forem considerados os estudantes com renda familiar até cinco salários mínimos (R$ 2.550), o percentual nesse grupo chega a 67%. Esse é o público que deveria ser atendido – em menor ou maior grau – por políticas de assistência estudantil. A entidade defende um aumento dos recursos para garantir a permanência do aluno de baixa renda na universidade. “Em uma família com renda até cinco salários mínimos, com três ou quatro dependentes, a fixação do estudante  na universidade é um problema sério”, diz Martins, que é reitor da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

O estudo identifica que 2,5% dos alunos moram em residência estudantil. Cerca de 15% são beneficiários de programas que custeiam total ou parcialmente a alimentação e um em cada dez recebe bolsa de permanência.

Vânia Silva, 26 anos, ex-aluna do curso de pedagogia da Universidade de Brasília (UnB), contou, ao longo de toda a graduação, com bolsas e outros tipos de auxílio. No primeiro semestre, a ajuda era de R$ 130, insuficiente para os gastos com alimentação, transporte e materiais. Ela participou de projetos de pesquisa e extensão na universidade para aumentar o benefício e conseguiu moradia na Casa do Estudante. Mas  viu colegas desistirem do curso porque não tinham condições de se manter.

“Para quem quer ter um bom desempenho acadêmico, o auxílio é muito pequeno. Esse dinheiro eu deveria gastar em livros ou em viagens para participar de encontros de pesquisadores, mas usava para custear minhas necessidades básicas”, conta. Hoje, ela é aluna de pós-graduação e a bolsa que recebe continua sendo insuficiente para os objetivos que pretende alcançar. “Já tive trabalhos inscritos até em congressos internacionais, mas com essa verba não dá para bancar uma viagem”, diz.

Os reitores destacam que a inclusão dos estudantes das famílias mais pobres não é a mesma em todos os cursos. Áreas mais concorridas como medicina, direito e as engenharias ainda recebem poucos alunos com esse perfil. Cerca de 12% das matrículas nas federais são trancadas pelos alunos e, para a associação, a evasão está relacionada em grande parte à questão financeira.

“Em outras parte do mundo, a preocupação do reitor é com a qualidade do ensino e com a pesquisa. Mas aqui, além de se preocupar com um bom ensino, ele também tem que se preocupar com a questão social”, compara Álvaro Prata, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Para 2012, a Andifes reivindicou ao Ministério da Educação (MEC) que dobre os recursos destinados à assistência estudantil. A previsão é que a verba seja ampliada dos atuais R$ 413 milhões para R$ 520 milhões, segundo a entidade. “Com a política de cotas e a expansão da UnB para as cidades satélites, houve um aumento muito grande da necessidade de políticas de assistência estudantil. Mas isso é secundário para o governo e a própria administração da universidade. Muitas vezes, eles acham que têm que trabalhar para ter mais sala de aula e laboratório, mas não há o restaurante universitário”, observa a representante do Diretório Central dos Estudantes da UnB, Mel Gallo.
Fonte: Agência Brasil

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Viva seu Lua!!!

Hoje, 22 de agosto de 2011, comemoramos uma data muito especial no calendário cultural pernambucano. São 22 anos do falecimento de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. A comemoração não é por ele ter nos deixado, claro, e sim por toda sua magnífica obra que nos presenteou em vida. Curtamos, então, um dos seus grandes sucessos, Assum Preto. Logo abaixo está a letra dessa linda canção.


Assum Preto
(Composição de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira)

Tudo em vorta é só beleza
Sol de Abril e a mata em frô
Mas Assum Preto, cego dos óio
Num vendo a luz, ai, canta de dor (bis)
Tarvez por ignorança
Ou mardade das pió
Furaro os óio do Assum Preto
Pra ele assim, ai, cantá de mió (bis)
Assum Preto veve sorto
Mas num pode avuá
Mil vez a sina de uma gaiola
Desde que o céu, ai, pudesse oiá (bis)
Assum Preto, o meu cantar
É tão triste como o teu
Também roubaro o meu amor
Que era a luz, ai, dos óios meus
Também roubaro o meu amor
Que era a luz, ai, dos óios meus.

Hoje estamos num mundo globalizado e democratizado cada vez mais, onde as pessoas estão a cada dia fazendo valer seus direitos de cidadãos e cidadãs. Essa mudança social fez surtir efeitos em vários segmentos da sociedade. Entre eles, podemos destacar as campanhas publicitárias. As propagandas estão se aperfeiçoando para estarem em sintonia com o público atual, caso contrário, as empresas perderiam clientela e, consequentemente, dinheiro.
As empresas de publicidade têm investido em pesquisas para verificar o perfil de seus possíveis consumidores com o intuito de promover de uma maneira mais clara e objetiva seus produtos e serviços. Abaixo podemos ter um bom exemplo disso:


Em contrapartida, como a sociedade responderia ao anúncio do Fusca publicado em 1969 da forma como foi feito? Isso demonstra como o gênero propaganda tem se modificado ao longo dos tempos seguindo as tendências impostas pelos consumidores, seu público-alvo.


segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Regras da Nova Ortografia

Um dia desses recebi uma ligação do diretor do departamento onde trabalho questionando-me sobre o uso de "Pró-" na palavra "pró-ativo". Sua justificativa era que as regras da ortografia da Língua Portuguesa tinham sido modificadas e estava em dúvida de como escrevê-las. A palavra em questão era uma delas. Embora tenha dito a mim que tenha utilizado essa palavra pouco tempo atrás, estava inseguro quanto a sua grafia. Como eu sou professor de Português, ele achou por bem me pedir auxílio.
Bem, em relação ao ser professor de Língua Portuguesa, isso é verdade. Mas também acho que não é obrigação apenas do professor de língua dominar o nosso idioma. Ainda mais quando se trata de pessoa que precisa utilizar a forma culta da língua no seu cotidiano, como é o caso dele, diretor de departamento. De qualquer forma, expliquei que alguns prefixos como "pré-", "pró-" e "pós-" deveriam ser usados da mesma forma que antes da nova regra ortográfica.
Queridos leitores, mesmo assim, ele não se deu por satisfeito e foi consultar outras pessoas e livros. É o que dá ser do conhecimento de todos sua profissão de professor. Sempre acham que você sabe mais, ou deveria saber mais. Mesmo assim, não te dão crédito, pois essa profissão não é, por muitos, valorizada e admirada há muito tempo.
A propósito, aqui está a regra do uso desses prefixos para vocês que precisam, de uma maneira ou de outra, utilizar em seus atos de comunicação a forma culta, privilegiada, de nossa língua representada pela Ortografia Oficial da Língua Portuguesa.

Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen. Exemplos:
além-mar, além-túmulo, aquém-mar, ex-aluno, ex-diretor, ex-hospedeiro, ex-prefeito, ex-presidente, pós-graduação, pré-história, pré-vestibular, pró-europeu, recém-casado, recém-nascido, sem-terra. (TUFANO, Douglas, Michaelis - Guia Prático da Nova Ortografia. Melhoramentos, 2008.)

Portanto, caros leitores, aqui fica uma dica de como escrever dentro das novas regras ortográficas, caso precisem. Vocês também podem acessar sempre que quiserem na coluna da esquerda do blog o tópico sobre as Regras da Nova Ortografia da Língua Portuguesa. Um abraço a todos e a todas.

sábado, 30 de julho de 2011

Imperativo, o Imperador.

Imperativo era um imperador. Em seu reino, quem mandava era ele. Ele ditava as regras, regulamentava as leis, desmandava, dizia o que devia ou não ser feito. Quando estava de bom humor, até dava conselhos. Isso, até aconselhar , o Imperativo fazia.
Certo dia, alguns de seus súditos decidiram se rebelar contra seu jeito mandão de ser e decidiram tirá-lo do poder. Ao conseguirem esse feito, mandaram, como castigo, o ex-imperador ser o mordomo de um homem muito rico. Não deu outra, assim que começou a trabalhar, o Imperativo iniciou suas sessões de ordem, mandamentos, conselhos em cima da criadagem da casa. Não demorou muito, e os criados também resolveram se rebelar e tiraram-no do cargo. Como castigo, empregaram-no numa casa de família de classe média como babá de duas criancinhas. Logo ao assumir o cargo, começou a aconselhar, mandar e ordenar as duas criancinhas que, não aguentando mais, foram reclamar aos pais.
Quando seus pais souberam dos mandos e desmandos do Imperativo, resolveram chamar a comitiva dos rebeldes que o tiraram do poder para ver se eles teriam uma solução. Não sabiam eles, que iriam se deparar com um baita problema que acontecia no castelo.
Os rebeldes, ao saberem da história que os pais das duas criancinhas lhes contaram, foram checar com os outros ex-patrões do Imperativo sobre seu comportamento e viram que em todo lugar, o ex-imperador sempre tinha as mesmas atitudes, onde quer que estivesse: mandava, ordenava, aconselhava, queria que todos fizessem o que ele ditava, cheio de argumentos. Então, vendo que seria impossível mudar o Imperativo, tiveram uma ideia, por fim.
Quando eles tiraram o Imperativo do poder, tinham posto em seu lugar o Adjetivo, que só fazia adjetivar tudo e todos ao seu redor. Às vezes, elogiava, dizendo belo, inteligente, perspicaz, eloquente etc. Outras vezes, xingava com estúpido, feio, maldito, abestalhado. Mas não sabia ser um imperador. O reino estava virando uma bagunça total.
Depois do Adjetivo, os rebeldes puseram no poder o Substantivo. Foi outra confusão. Em vez de imperar, ele fazia questão de decorar o nome de tudo e todos. Sabia decoradamente o nome de cada um do reino. O que não tinha nome, ele nomeava. Também, às vezes, quando estava de mau humor, metia apelidos em todos, piorando ainda mais seu reinado.. E o país estava ainda mais em declínio.
Então, os rebeldes, depois de uma demorada e exaustiva reunião, decidiram pôr de volta o Imperativo no poder, pois o reino precisava de alguém com pulso e atitudes imperativas para voltar ao crescimento, ao equilíbrio e à justiça social. No entanto, fizeram-lhe uma proposta. O Imperador Imperativo não podia governar mais sozinho, teria conselheiros, formados pelas mais variadas classes gramaticais do reino: Adjetivo, Advérbio, Substantivo, Pronome, Preposição etc. Todos poderiam ajudar o Imperativo a governar. Pois, afinal, quem nasce imperativo, imperativo sempre será.
Tony Lima

Bem, depois dessa pequena fábula, vamos curtir Pitty, com um dos seus sucessos onde ela usa e abusa de imperativos. Trata-se de uma letra que nos leva a refletir sobre a sociedade. E, principalmente, sobre nosso papel na sociedade. Será que devemos ser cidadãos que apenas observam o que está em volta sem nos envolvermos, totalmente influenciados pelas mídias, como simples robôs, ou será que devemos ser ativos, tendo atitudes capazes de modificar o meio onde estamos inseridos?
Vamos refletir sobre isso!!! Devemos ser seres humanos capazes de entender, refletir e transformar nossa sociedade para que tenhamos um futuro melhor para todos.


sexta-feira, 29 de julho de 2011

Um bom conselho

Vivemos em um mundo em que a capacidade de não parar é prerrogativa para se alcançar o sucesso. E, acreditando nisso, muitos enveredam por caminhos que acabam por levar a uma vida sem os cuidados necessários para se ter uma boa saúde. Com isso, muitos acabam enfartando.
Aqui está uma lista de conselhos, de forma humorística, que servem para nos alertar. Como todo conselho, a injunção é predominante. Ou seja, ele é escrito de uma forma que tenta persuadir o leitor a seguir os ensinamentos que estão contidos nele. A Injunção é uma obrigação imposta por alguém. Bem, de qualquer forma, creio que devemos levar em conta de que um corpo são nos dá condições de aproveitarmos melhor a vida. Um abraço a todos e a todas!!!

APRENDA A TER UM INFARTO!
 É muito simples!

VAMOS INFARTAR!!!!!!!!
COM UM POUCO DE ESFORÇO CONSEGUIREMOS!


SERÁ QUE VOCÊ QUER TER UM INFARTO?
DOZE CONSELHOS
PARA TER UM INFARTO FELIZ !!!
Dr. Ernesto Artur - Cardiologista

Quando publiquei estes conselhos 'amigos-da-onça' em meu site, recebi uma enxurrada de e-mails, até mesmo do exterior, dizendo que isto lhes serviu de alerta, pois muitos estavam adotando esse tipo de vida inconscientemente.

1. Cuide de seu trabalho antes de tudo.
As necessidades pessoais e familiares são secundárias.
2. Trabalhe aos sábados o dia inteiro e, se puder também aos domingos.
3. Se não puder permanecer no escritório à noite, leve trabalho para casa e trabalhe até tarde.
4. Ao invés de dizer não, diga sempre sim a tudo que lhe solicitarem.
5. Procure fazer parte de todas as comissões, comitês, diretorias, conselhos e aceite todos os convites para conferências, seminários, encontros, reuniões, simpósios etc.
6. Não se dê ao luxo de um café da manhã ou uma refeição tranqüila. Pelo contrário, não perca tempo e aproveite o horário das refeições para fechar negócios ou fazer reuniões importantes..
7. Não perca tempo fazendo ginástica, nadando, pescando, jogando bola ou tênis. Afinal, tempo é dinheiro.
8. Nunca tire férias, você não precisa disso. Lembre-se que você é de ferro. (e ferro , enferruja!!. .rs)
9. Centralize todo o trabalho em você, controle e examine tudo para ver se nada está errado.. Delegar é pura bobagem; é tudo com você mesmo.
10. Se sentir que está perdendo o ritmo, o fôlego e pintar aquela dor de estômago, tome logo estimulantes, energéticos e anti-ácidos. Eles vão te deixar tinindo.
11. Se tiver dificuldades em dormir não perca tempo: tome calmantes e sedativos de todos os tipos. Agem rápido e são baratos.
12. E por último, o mais importante: não se permita ter momentos de oração, meditação, audição de uma boa música e reflexão sobre sua vida. Isto é para crédulos e tolos sensíveis.
Repita para si: Eu não perco tempo com bobagens.

Duvido que voce não tenha um belo infarto se seguir os conselhos acima!!!

IMPORTANTE: OS ATAQUES DE CORAÇÃO

Uma nota importante sobre os ataques cardíacos..
Há outros sintomas de ataques cardíacos, além da dor no braço esquerdo. Há também, como sintomas vulgares, uma dor intensa no queixo, assim como náuseas e suores abundantes.
Pode-se não sentir nunca uma primeira dor no peito, durante um ataque cardíaco. 60% das pessoas que tiveram um ataque cardíaco enquanto dormiam, não se levantaram... Mas a dor no peito, pode acordá-lo dum sono profundo.
Se assim for, dissolva imediatamente duas Aspirinas na boca e engula-as com um bocadinho de água. Ligue para Emergência (192, 193 ou 190) e diga ''ataque cardíaco'' e que tomou 2 Aspirinas. Sente-se numa cadeira ou sofá e force uma tosse, sim forçar a tosse pois ela fará o coração pegar no tranco; tussa de dois em dois segundos, até chegar o socorro.. NÃO SE DEITE !!!!
Um cardiologista disse que, se cada pessoa que receber este e-mail, o enviar a 10 pessoas, pode ter a certeza de que se salvará pelo menos uma vida !

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Vestibular UPE 2012

Não percam a data, hein? A partir de segunda-feira, dia 01 de Agosto, começam as inscrições para o vestibular da UPE. Vocês tem até o dia 30 de Agosto para efetuarem a inscrição. Estudantes vindos do ensino público concorrem às vagas de cotistas. Podem também solicitar isenção da taxa de inscrição que é no valor de R$ 110,00. Portanto, não percam tempo, inscrevam-se, estudem e boa sorte!!! Um abraço a todos.

CLIQUE NO TÍTULO E FAÇA SUA INSCRIÇÃO.

domingo, 24 de julho de 2011

Onde ou Aonde? Eis a questão.

Olá, pessoal. Em primeiro lugar, para começarmos a analisar esta questão, vamos curtir um pouco de um samba do famoso AGEPÊ, que já nos deixou, infelizmente, há alguns anos. Mas, mesmo assim, por sua qualidade musical e de composição, ainda é lembrado e admirado.


Aqui está a letra desse lindo samba, estilo musical que vem ganhando mais espaço nas músicas, contudo perdendo suas características originais.

Moro onde não mora ninguém
Onde não passa ninguém
Onde não vive ninguém
É lá onde moro
E eu me sinto bem
Moro onde moro ....
Não tem bloco na rua
Não tem carnaval
Mas não saio de lá
Meu passarinho me canta a mais linda
Cantiga que há
Coisas lindas vem do lado de lá
Coisas lindas vem do lado de lá
Moro onde moro ... (eu também moro...)
Uma casinha branca
No alto da serra
Um coqueiro do lado
Um cachorro magro amarrado
Um fogão de lenha, todo enfumaçado
É lá onde moro
Aonde não passa ninguém
É lá que eu vivo sem guerra
É lá que eu me sinto bem
Bem, vamos ao nosso problema. Muita gente falante de nosso idioma, utiliza os advérbios ONDE e AONDE de forma inadequada, exatamente por não saber qual usar. Hoje, existe uma moda ou mania de sempre se utilizar o AONDE, indiscriminadamente. Não importa o sentido. Apenas, usa-se. 
Claro que devemos respeitar os falares populares. Nossa língua é viva, como todas as outras e suas transformações sempre ocorreram e continuarão ocorrendo. No entanto, devemos saber, de acordo com a norma culta, uma vez que é a norma de prestígio social, quando e como utilizar nossos vocábulos, em determinados momentos.
Se estamos entre amigos, não há problema de se utilizar a forma própria do seu contexto social de se comunicar. Mas se estamos diante de alguém ou em ambiente que se prestigia a norma padrão do nosso idioma, por que não usá-la?
Lembrando que um falante competente em um idioma não é só o que detem um tipo de norma, mas é aquele que consegue se comunicar plenamente independentemente do meio e da situação em que se encontra. Então, nunca é demais aprendermos algo a respeito de nossa língua.
Bem, voltando ao nosso assunto de hoje, toda vez que AGEPÊ refere-se ao lugar em que ele se encontra, utiliza o advérbio ONDE. Por que será que ele não usa o AONDE? Sempre diz: "Moro ONDE não mora ninguém, ONDE não passa ninguém, ONDE não vive ninguém..." Tanto um quanto o outro são advérbios que designam lugar.

Segundo os dicionários, de forma geral, temos as seguintes definições:
ONDE: utiliza-se em frases interrogativas e especializando situações locativas estáticas. (sem dar ideia de movimento)
AONDE: ao lugar que (em que direção); para o lugar que (para que direção); para qual lugar. (dá ideia de movimento).
Segundo os gramáticos, devemos utilizar AONDE com verbos que indicam a ideia de movimento. Como, por exemplo, os verbos IR, CHEGAR, DIRIGIR-SE ou LEVAR.

Se AGEPÊ refere-se a um lugar estático (parado), ele deve usar ONDE. Ele não está se movimentando para lá. Ele está parado, falando de um lugar ONDE ele mora.
Porém, se ele perguntasse a alguém que estava indo a algum lugar, faria a seguinte questão: Você vai aonde? Nesse caso, a pessoa estaria em movimento.

Concluindo, se é ideia de movimento: AONDE. Se é ideia de lugar estático (parado): ONDE.



Bem, no vídeo acima, o grupo Raça Negra utiliza o ONDE e o AONDE na letra dessa tão famosa canção. Sem tirar o mérito, pois não há dúvidas de que se trata de uma bela composição, ele emprega os referidos advérbios fugindo às regras da Norma Padrão. Nesse caso, ele usa a Licença Poética e a forma popular de se comunicar.

Aqui está a letra.

Amor igual ao teu
Eu nunca mais terei
Amor que eu nunca vi igual
Que eu nunca mais verei
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Amor igual ao teu
Eu nunca mais terei
Amor que eu nunca vi igual
Que eu nunca mais verei
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Amor
Você vai chegar em casa
Eu quero abrir a porta
Aonde você mora?
Aonde você foi morar?
Aonde foi?
Não quero estar de fora
Aonde está você?
Eu tive que ir embora
Mesmo querendo ficar
Agora eu sei
Eu sei que eu fui embora
Agora eu quero você
De volta para mim
Amor igual ao teu
Eu nunca mais terei
Amor que eu nunca vi igual
Que eu nunca mais verei
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Amor igual ao teu
Eu nunca mais terei
Amor que eu nunca vi igual
Que eu nunca mais verei
Amor que não se pede
Amor que não se mede
Que não se repete
Você vai chegar em casa
Eu quero abrir a porta
Aonde você mora?
Aonde você foi morar?
Aonde foi?
Não quero estar de fora
Aonde está você?
Eu tive que ir embora
Mesmo querendo ficar
Agora eu sei
Eu sei que eu fui embora
Agora eu quero você
De volta para mim
Amor igual ao teu
Eu nunca mais terei
Amor que eu nunca vi igual
Que eu nunca mais, nunca mais
Eu nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca mais terei...

sábado, 16 de julho de 2011

Saber Ler


Quando se fala em "Saber ler" muitos pensam em entender o que está escrito ou o que se é mostrado em fotos, figuras ou vídeos. Na verdade, Ler é muito mais do que "entender" o que está escrito, ou pintado, ou fotografado, ou mostrado através de vídeo ou de qualquer outra forma de mídia. É analisar criticamente. Quando sabemos ler, procuramos entender, analisar e reconstruir o significado da mensagem que está sendo veiculada. 
Trouxe um exemplo de dois vídeos sobre as sandálias Havaianas. Aquelas que "não desbotam, não soltam as tiras e não têm cheiro". Lembram? Só que, apesar de ser uma marca internacionalmente conhecida, sua publicidade está baseada em preconceitos ou, no mínimo, falta de conhecimento sobre o nosso país através de equívocos consolidados pelo tempo. Assista ao vídeo abaixo amplamente veiculado na tv e analise comigo alguns pontos muito importantes sobre a ideia que se está passando do povo brasileiro.


1º Ponto: A primeira foto a ser mostrada em referência ao Brasil é a do Cristo Redentor. Tudo bem que é considerado um dos mais belos monumentos do mundo. Claro que concordo que o Rio de Janeiro é uma das mais belas cidades do planeta. Mas por que é preciso sempre focar a propaganda do Brasil em cidades do Sudeste ou do Sul? Por que não valorizar as praias "sempre quentes" do Nordeste? Por que não exaltar a esplendorosa natureza, ainda conservada, da Amazônia?

2º Ponto: Ela (a francesa) olha para a foto de um passista negro (também carioca) e diz que o brasileiro "é o povo mais feliz do planeta". Poxa vida!!! Só morando na Europa e ser totalmente alienada para se ter uma ideia dessas. Mas essa AINDA é a visão dos estrangeiros (europeus e norteamericanos, principalmente) em achar que somos o povo mais "feliz" do mundo por termos samba, frevo e outros estilos musicais. Na verdade, somos mundialmente conhecidos pelo Carnaval e pelas lindas mulatas. Somos, sim, ricos culturalmente. Somos um povo democrático, onde a miscigenação racial e cultural impera por todo o território brasileiro. Mas também somos um povo sofrido por causa das injustiças, das discriminações, da miséria, do analfabetismo, da falta de investimento em Educação, Segurança, Saúde; também por causa dos corruptos que continuam sugando nosso dinheiro. Contudo, somos um povo que não se deixa abater; somos trabalhadores e batalhadores, que matamos um leão todo dia para sobrevivermos e procuramos, sim, ser felizes apesar de todos os problemas que nos afligem. Então, essa ideia de sermos felizes apresentando um sambista do carnaval carioca é totalmente equivocada ou incompleta.

3º Ponto: A moça decidir vir ao Brasil para passar sua Lua de Mel por  ter em nosso país todos os modelos das Havaianas é, no mínimo, cruel com o noivo dela. Em vez de vir ao Brasil para curtir junto com seu noivo os primeiros momentos do casamento, levando para sua terra natal recordações inesquecíveis, românticas, de um país lindo, com uma cultura inigualável etc, ela pretende vir ao nosso país para comprar "todos" os modelos das sandálias Havaianas. Como dizem: o importante é o "CARA TER".

4º Ponto: A revista que ela está folheando, falando do Brasil, mostra outro "produto nacional": a bela mulher brasileira. Ainda mais de costas, mostrando a "preferência nacional". Isso é, intencionalmente ou não, exploração sexual feminina. Mais uma vez, usa-se a mulher para chamar estrangeiros para o "turismo sexual". E essa propaganda aproveita-se disso. INFELIZMENTE!!! E, com isso, a francesinha desiste de vir ao Brasil para levar o seu noivo a uma outra cidade europeia, Veneza. Será ciúme, será inveja das brasileiras? Ou mera falta de informação? Veja o quanto de desinformação essa propaganda está veiculando. Por isso, devemos estar sempre atentos com as informações que nos chegam a todo instante pelos mais diversificados meios de comunicação. CUIDADO!!! Muitas delas são altamente destrutivas!!! Precisamos entender, analisar e criticar para compreendermos plenamente, a cada instante, o que chega aos nossos olhos e ouvidos para podermos ser cidadãos ativos e construirmos um mundo melhor.

Agora, vamos curtir alguns personagens do grande humorista nordestino Chico Anysio, o eterno "garoto propaganda" das Sandálias Havaianas.

P.S.: Assista com atenção, analise e construa sua compreensão!!! Um abraço a todos!!!


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Será que seria assim?

A paródia é um gênero literário que se utiliza de uma frase ou de um texto alheio, mesmo pertencente a um outro gênero e o desenvolve aproveitando sua ideia, mas com características humorísticas. Também serve para abrir uma reflexão sobre algo de maneira leve, contudo objetiva e bastante clara, mostrando a visão do autor da paródia em relação a um fato a ser analisado por ele. Vejamos abaixo um bom exemplo disso:

Nem o Senhor Jesus aguentaria ser um professor nos dias de hoje.....O Sermão da montanha (*versão para educadores*)
Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado
sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.

Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.

Tomando a palavra, disse-lhes:
- Em verdade, em verdade vos digo:

- Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
- Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
- Felizes os misericordiosos, porque eles...?

Pedro o interrompeu:

- Mestre, vamos ter que saber isso de cor?

André perguntou:
- É pra copiar?

Filipe lamentou-se:
- Esqueci meu papiro!

Bartolomeu quis saber:
- Vai cair na prova?

João levantou a mão:
- Posso ir ao banheiro?

Judas Iscariotes resmungou:

- O que é que a gente vai ganhar com isso?

Judas Tadeu defendeu-se:
- Foi o outro Judas que perguntou!

Tomé questionou:
- Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?

Tiago Maior indagou:
- Vai valer nota?

Tiago Menor reclamou:
- Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.

Simão Zelote gritou, nervoso:
- Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?

Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula?
- Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica?
- Quais são os objetivos gerais e específicos?
- Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas?
- E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais?
- Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?

Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade.
- Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
- E vê lá se não vai reprovar alguém!

E, foi nesse momento que Jesus disse: "Senhor, por que me abandonastes..."


terça-feira, 12 de julho de 2011

Punição para a Indisciplina

É fato e todos sabem que a indisciplina nas escolas públicas e privadas de nosso país tem chegado a níveis insuportáveis. Não há maneiras de se chegar ao objetivo de um ensino de qualidade se os próprios estudantes estão sendo levados por uma onda enorme de violência cotidianamente, que só tem atrapalhado todo o processo de ensino - aprendizagem que possa existir em um ambiente escolar.
Não podemos deixar que isso continue. Temos que tomar atitudes drásticas e urgentes para, pelo menos, dirimir esse gravíssimo problema que tem destruído toda conviência nas escolas por todo do Brasil.
No texto abaixo vamos conhecer um projeto que está em tramitação no Congresso Nacional que irá modificar algumas cláusulas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), fazendo com que haja punição disciplinar motivada pela indisciplinar escolar.
Não é por ser coisa do passado, mas precisamos voltar a respeitar com dignidade os educadores de todo o país, pois sem os mesmos, como haveria ou haverá um país civilizado, preparado em todos os sentidos para um futuro de mudanças que podem levar o Brasil a um patamar especial perante as demais nações?

Leia atentamente:

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 267/11, da deputada Cida Borghetti (PP-PR), que estabelece punições para estudantes que desrespeitarem professores ou violarem regras éticas e de comportamento de instituições de ensino. 

Em caso de descumprimento, o estudante infrator ficará sujeito a suspensão e, na hipótese de reincidência grave, encaminhamento à autoridade judiciária competente. 

A proposta muda o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90) para incluir o respeito aos códigos de ética e de conduta como responsabilidade e dever da criança e do adolescente na condição de estudante.  

Indisciplina
De acordo com a autora, a indisciplina em sala de aula tornou-se algo rotineiro nas escolas brasileiras e o número de casos de violência contra professores aumenta assustadoramente. Ela diz que, além dos episódios de violência física contra os educadores, há casos de agressões verbais, que, em muitos casos, acabam sem punição.

O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Quando eu era estudante do ensino médio, os meus professores me serviam de referência, era possível ser amiga deles. Ao mesmo tempo em que podíamos brincar com eles, havia um respeito enorme por aqueles que nos ensinavam um pouco mais dia a dia. É muito triste perceber que o desrespeito e a violência ao professor imperam no dia de hoje.

Amannda Oliveira

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Um Grande Exemplo !!!

Acho que todos estão lembrados, ou pelo menos, não deveriam ter esquecido da Professora Amanda Gurgel, que foi noticiada no Fantástico e esteve, por um tempo, nas mídias de todo o Brasil por ter posto um vídeo no youtube para ser divulgado amplamente o seu legítimo pensamento em defesa dos professores e de uma educação pública de qualidade. Esse vídeo está em minha postagem com o título "Discurso da Professora Amanda Gurgel". Quem não assistiu ainda, não perca essa oportunidade. Bem, essa mesma professora recebeu um prêmio importantíssimo na área educacional em nosso país, onde grandes personalidades como Fernando Henrique Cardoso já o receberam, além de empresas da Rede Globo. Mesmo assim, ela o RECUSOU, dando justificativas que nos fazem ter ainda mais orgulho dessa batalhadora da educação que tão bem nos representa (professores e trabalhadores da educação) e que serve de exemplo, na verdade, de Um Grande Exemplo de cidadã brasileira. Confira abaixo a carta que essa digna professora escreveu à empresa que quis lhe premiar.

Natal, 02 de julho de 2011

Prezado júri do 19º Prêmio PNBE,

Recebi comunicado notificando que este júri decidiu conferir-me o prêmio de 2011 na categoria Educador de Valor, “pela relevante posição a favor da dignidade humana e o amor a educação”. A premiação é importante reconhecimento do movimento reivindicativo dos professores, de seu papel central no processo educativo e na vida de nosso país. A dramática situação na qual se encontra hoje a escola brasileira tem acarretado uma inédita desvalorização do trabalho docente. Os salários aviltantes, as péssimas condições de trabalho, as absurdas exigências por parte das secretarias e do Ministério da Educação fazem com que seja cada vez maior o número de professores talentosos que após um curto e angustiante período de exercício da docência exonera-se em busca de melhores condições de vida e trabalho.

Embora exista desde 1994 esta é a primeira vez que esse prêmio é destinado a uma professora comprometida com o movimento reivindicativo de sua categoria. Evidenciando suas prioridades, esse mesmo prêmio foi antes de mim destinado à Fundação Bradesco, à Fundação Victor Civita (editora Abril), ao Canal Futura (mantido pela Rede Globo) e a empresários da educação. Em categorias diferentes também foram agraciadas com ele corporações como Banco Itaú, Embraer, Natura Cosméticos, McDonald's, Brasil Telecon e Casas Bahia, bem como a políticos tradicionais como Fernando Henrique Cardoso, Pedro Simon, Gabriel Chalita e Marina Silva.

A minha luta é muito diferente dessas instituições, empresas e personalidades. Minha luta é igual a de milhares de professores da rede pública. É um combate pelo ensino público, gratuito e de qualidade, pela valorização do trabalho docente e para que 10% do Produto Interno Bruto seja destinado imediatamente para a educação. Os pressupostos dessa luta são diametralmente diferentes daqueles que norteiam o PNBE. Entidade empresarial fundada no final da década de 1980, esta manteve sempre seu compromisso com a economia de mercado. Assim como o movimento dos professores sou contrária à mercantilização do ensino e ao modelo empreendedorista defendido pelo PNBE. A educação não é uma mercadoria, mas um direito inalienável de todo ser humano. Ela não é uma atividade que possa ser gerenciada por meio de um modelo empresarial, mas um bem público que deve ser administrado de modo eficiente e sem perder de vista sua finalidade.

Oponho-me à privatização da educação, às parcerias empresa-escola e às chamadas “organizações da sociedade civil de interesse público” (Oscips), utilizadas para desobrigar o Estado de seu dever para com o ensino público. Defendo que 10% do PIB seja destinado exclusivamente para instituições educacionais estatais e gratuitas. Não quero que nenhum centavo seja dirigido para organizações que se autodenominam amigas ou parceiras da escola, mas que encaram estas apenas como uma oportunidade de marketing ou, simplesmente, de negócios e desoneração fiscal.

Por essa razão, não posso aceitar esse Prêmio. Aceitá-lo significaria renunciar a tudo por que tenho lutado desde 2001, quando ingressei em uma Universidade pública, que era gradativamente privatizada, muito embora somente dez anos depois, por força da internet, a minha voz tenha sido ouvida, ecoando a voz de milhões de trabalhadores e estudantes do Brasil inteiro que hoje compartilham comigo suas angústias históricas. Prefiro, então, recusá-lo e ficar com meus ideais, ao lado de meus companheiros e longe dos empresários da educação.

Saudações,

Professora Amanda Gurgel

domingo, 10 de julho de 2011

Quem entende as mulheres?

Nesse pequeno texto, temos um bom exemplo de quanto é difícil entender as mulheres. Graças a Deus...

Complexidade feminina!

    M - Onde você vai?
    H - Vou sair um pouco.
    M - Vai de carro?
    H - Sim.
    M - Tem gasolina?
    H - Sim... coloquei.
    M - Vai demorar?
    H - Não... coisa de uma hora.
    M - Vai a algum lugar específico?
    H - Não... só rodar por aí.
    M - Não prefere ir a pé?
    H - Não... vou de carro.
    M - Traz um sorvete pra mim!
    H - Trago... que sabor?
    M - Manga.
    H - Ok... na volta eu passo e compro.
    M - Na volta?
    H - Sim... senão derrete.
    M - Passa lá, compra e deixa aqui.
    H - Não... melhor não! Na volta... é rápido!
    M - Ahhhhh!
    H - Quando eu voltar eu tomo com você!
    M - Mas você não gosta de manga!
    H - Eu compro outro... de outro sabor.
    M - Aí fica caro.. traz de cupuaçu!
    H - Eu não gosto também.
    M - Traz de chocolate.. nós dois gostamos.
    H - Ok! Beijo... volto logo...
    M - Ei!
    H - O que?
    M - Chocolate não... Flocos...
    H - Não gosto de flocos!
    M - Então traz de manga prá mim e o que quiser prá você.
    H - Foi o que sugeri desde o começo!
    M - Você está sendo irônico?
    H - Não... tô não! Vou indo.
    M - Vem aqui me dar um beijo de despedida!
    H - Querida! Eu volto logo... depois.
    M - Depois não... quero agora!
    H - Tá bom! (Beijo.)
    M - Vai com o seu ou com o meu carro?
    H - Com o meu.
    M - Vai com o meu... tem cd player... o seu não!
    H - Não vou ouvir música... vou espairecer...
    M - Tá precisando?
    H - Não sei... vou ver quando sair!
    M - Demora não!
    H - É rápido... (Abre a porta de casa.)
     M - Ei!
    H - Que foi agora?
    M - Nossa!!! Que grosso! Vai embora!
    H - Calma... estou tentando sair e não consigo!
    M - Porque quer ir sozinho? Vai encontrar alguém?
    H - O que quer dizer?
    M - Nada... nada não!
    H - Vem cá... acha que estou te traindo?
    M - Não... claro que não... mas sabe como é?
    H - Como é o quê?
    M - Homens!
    H - Generalizando ou falando de mim?
    M - Generalizando.
    H - Então não é meu caso... sabe que eu não faria isso!
    M - Tá bom... então vai.
    H - Vou.
    M - Ei!
    H - Que foi, cacete?
    M - Leva o celular, estúpido!
    H - Prá quê? Prá você ficar me ligando?
    M - Não... caso aconteça algo, estará com celular.
    H - Não... pode deixar...
    M - Olha... desculpa pela desconfiança... estou com saudade... só isso!
    H - Ok meu amor... Desculpe-me se fui grosso. Tá.. eu te amo!
    M - Eu também!
    M - Posso futricar no seu celular?
    H - Prá quê?
    M - Sei lá! Joguinho!
    H - Você quer meu celular prá jogar?
    M - É.
    H - Tem certeza?
    M - Sim.
    H - Liga o computador... lá tem um monte de joguinhos!
    M - Não sei mexer naquela lata velha!
    H - Lata velha? Comprei pra a gente mês passado!
    M - Tá.. ok... então leva o celular senão eu vou futricar...
    H - Pode mexer então... não tem nada lá mesmo...
    M - É?
    H - É.
    M - Então onde está?
    H - O quê?
    M - O que deveria estar no celular mas não está...
    H - Como!?
    M - Nada! Esquece!
    H - Tá nervosa?
    M - Não... tô não...
    H - Então vou!
    M - Ei!
    H - Que ééééééé?
    M - Não quero mais sorvete não!
    H - Ah é?
    M - É!
     H - Então eu também não vou sair mais não!
    M - Ah é?
    H - É.
    M - Oba! Vai ficar comigo?
    H - Não vou não... cansei... vou dormir!
    M - Prefere dormir do que ficar comigo?
    H - Não... vou dormir, só isso!
    M - Está nervoso?
    H - Claro, porra!!!
    M - Por que você não vai dar uma volta para espairecer?

                                   (Luis Fernando Veríssimo)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Para pensar!!!

Hoje estou postando um assunto muito polêmico. Desde já, quero que fique bem claro que não estou de acordo com tudo que está nesse material, mas quero usá-lo como pretexto de como nós precisamos repensar nossas atitudes enquanto cidadãos brasileiros. Não podemos ficar apenas como espectadores de tudo que está acontecendo de RUIM em todas as estruturas dos governos FEDERAL, ESTADUAL e MUNICIPAL. Precisamos agir,sim. Claro que SEM VIOLÊNCIA. Pois a mesma não leva a nada. O que não podemos é continuar nessa inércia em que estamos. Onde está a geração que lutou pelas Diretas Já? Onde está a geração que lutou pela queda da ditadura militar? Onde está a geração que lutou pelo Impeachment de Collor? Será que não sobrou nada do espírito de luta e de inconformismo das gerações passadas? Será que os jovens, realmente, estão entregues ao mundo de fantasias que a Internet muitas vezes proporciona e esquecendo o mundo real em que estão inseridos? Vamos pensar, gente!!! Vamos refletir e pôr em ação nossa vontade de mudar o mundo. Para mim, "o sonho não acabou". Só que precisamos acordar desse "berço esplêndido" e ir à luta, no sentido de mudança de atitudes em favor de uma cidadania para todos e todas. Principalmente, por uma educação capaz de construir pessoas capazes de discernir, de ter espírito crítico em relação ao que acontece ao seu redor e capazes de enfrentar as barreiras em busca de um mundo melhor, mais justo e democrático para todos. Vamos agir!!!




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Esse material não reflete tudo que eu penso sobre o assunto (como já foi citado anteriormente), mas nos mostra como uma boa parte das pessoas, cidadãos brasileiros, estão enxergando o assunto. Temos que ter cuidado para que isso não venha a tomar tal tamanho que acabe gerando violência e até mesmo em GUERRA CIVIL. Deus nos livre disso. E nós, como povo civilizado, precisamos dar basta a tudo isso que está acontecendo em nosso amado país de maneira mais objetiva, equilibrada e educada possível. Só não vamos ficar de braços cruzados. Vamos agir!!!
Um abraço a todos e a todas!!!