terça-feira, 31 de maio de 2011

Nunca é demais um bom esclarecimento.

AULA DE PORTUGUÊS : O CORRETO É PRESIDENTE OU "PRESIDENTA" ? ? ?
 
Tenho notado, assim como aqueles mais atentos também devem tê-lo feito, que a candidata Dilma Roussef e seus apoiadores, pretendem que ela venha a ser a primeira presidenta do Brasil, tal como atesta toda a propaganda política veiculada pelo PT na mídia.
Presidenta? 
Mas, afinal, que palavra é essa?
Bem, vejamos:
No português existem os particípios ativos como derivativos verbais.
Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante...

Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é ente.
Aquele que é: o ente.
Aquele que tem entidade.
Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.

Portanto, à pessoa que preside é “PRESIDENTE", e não "Presidenta", independentemente do gênero, masculino ou feminino.

Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz estudante, e não "estudanta"; se diz adolescente, e não "adolescenta"; se diz paciente, e não "pacienta".

Um exemplo (negativo) seria:

"A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre suas tantas outras atitudes alienantas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta."

É um tema muito polêmico. Precisamos entender que existem, e isso é permitido, variades nas formas de nos expressarmos. Isso é bastante saudável para uma língua continuar viva e evoluindo. Contudo, faz-se necessário compreendermos a importância da Norma Padrão de uma língua, pois é a de maior prestígio social. Não devemos denegrir ou exterminar as demais formas de comunicação, mas não podemos passar uma borracha e fazer de conta que não existe uma forma responsável por manter a comunicabilidade dos falantes de um idioma. No caso, o Português. Caso contrário, haveriam momentos em que seria muito difícil alguém entender o que o outro está falando, mesmo ambos falando no mesmo idioma, tanto na oralidade quanto na escrita. Pense e reflita sobre isto e deixe seu comentário.

4 comentários:

  1. suelen souza e ranielly ferreira2 de junho de 2011 15:41

    nos achamos varis coizas de bom vc tem uma otima mentalida nos emtendemos moita coisa sopre politeca nos vimos videos sopre atetude sedadao sotenho esu prafala que vc um otimo professor

    ResponderExcluir
  2. Eliane Tereza de oliveira 1º B Costa Azevedo15 de junho de 2011 21:40

    após a leitura de seu texto podemos analizar alguns erros que foram muito bem colocados para nos forçar a procurar a melhor interpretação e aprender um pouco mais.

    ResponderExcluir
  3. glauciete isidoro da silva15 de junho de 2011 21:50

    oi prof e glauciete isidoro da silva;1ªb escola costa azevedo eu achei muitas coisas certas mas o corretA candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta.

    ResponderExcluir
  4. após a leitura do texto nós Aline da silva e amanda Menezes do 1ºB compreendemos que a importância da norma padrão de uma língua, sem excluir as demais formas de comunicação. mais devemos ter cuidado na forma de nos expressar pois poderíamos falar algo e a outra pessoa não saber interpretar mesmo sendo falada no mesmo idioma

    ResponderExcluir